04 maio 2016

Na Minha Lente: May the 4th be with you




Sabia que hoje é dia de Star Wars? Não? Então, senta que lá vem história!

Como já havia explicado no post do ano passado, o dia 4 de maio foi o escolhido para celebrar a maior saga de todos os tempos. 

May the 4th (fourth) be with you é um trocadilho com uma das frases mais famosas da Star Wars: May the Force be with you.

Além do dia 4, muitas pessoas comemoram também o dia 5 de maio, chamando-o de Revenge of the Fifth (trocadilho com o Episódio III: Revenge of the Sith). Esse é o dia em que se celebra o lado negro da Força.

E não para por aí!

Em 2007, Los Angeles declarou o dia 25 de maio como o Star Wars Day, em homenagem ao 30º aniversário do lançamento de Star Wars. Pra completar, dia 25 de maio também é o Dia do Orgulho Nerd.

Para comemorar o Star Wars Day por aqui, nada melhor do que um montão de fotos minhas do universo Star Wars (e, às vezes, até com participações especiais de personagens de outros universos)!!! hahaha :D

Kylo encontrou um planeta perfeito para construir sua nova base. Porém, precisa da ajuda da Elsa pra deixa o lugar do jeito que ele gosta.


Parece que não foi o Kylo que perdeu a cabeça dessa vez.


May the food be with me.



Hora da #selfie!!!



É sério que você ainda não tem um canal no SithTube?

Kylo e seu stormtrooper favorito.


Até a próxima! E que a Força esteja com vocês! :D

15 abril 2016

Filmes: Batman vs Superman - A Origem da Justiça


Divulgação/Reprodução


Em Batman vs Superman vemos as consequências do confronto, mostrado em O Homem de Aço, entre Superman e o General Zod

As perdas geradas por este e outros confrontos envolvendo o Homem de Aço fazem parte da população começar a se questionar se o Superman realmente existe para fazer o bem ou se é, na verdade, um ser perigoso. Bruce Wayne, o Batman, é uma dessas pessoas.

Bruce considera o Homem de Aço a verdadeira ameaça, uma vez que o Superman possui uma força descomunal e é, aparentemente, invulnerável. Nenhuma criatura deveria ser tão poderosa.

Ao tomar conhecimento de uma pedra misteriosa que consegue afetar o Homem de Aço, Batman passa a investigar a LexCorp em busca de respostas.



Se você vive neste planeta, com certeza já viu a quantidade de "treta" gerada pelo filme desde o seu lançamento. E se você acha que a coisa ficava feia na hora de decidir quem ia ser tal Spice Girl, você não viu nada!

Assim como nos acontecimentos do filme, o mundo se dividiu. Para alguns o filme foi um verdadeiro lixo, para outros uma obra-prima.

Sou uma dessas pessoas que achou Batman vs Superman uma obra-prima.



O filme possui uma das fotografias mais espetaculares que já vi. Em certas cenas, parecíamos estar admirando belíssimas pinturas. Era simplesmente de tirar o fôlego. A trilha sonora impecável só contribuiu para deixar tudo mais envolvente.

Não sou crítica, não sou expert, não sou formada em cinema. O que eu entendo sobre filme está na maneira como eles marcam a minha vida. Filme bom é aquele que te faz sentir. Seja lá o que for.

Batman vs Superman conseguiu. Mexeu profundamente comigo e me provocou lágrimas pelo menos umas quatro vezes.

Engana-se quem acha que é apenas mais um filme de heróis. Batman vs Superman não é o típico filme de "lutinha" com coisas engraçadinhas que tanto agrada. Ele é muito mais que isso. Não é coisa de criança. É coisa de adulto.

Dito isso, ouso afirmar que o filme consegue ser um retrato perfeito da sociedade atual.



Agindo em nome da justiça, vemos um Batman violento, transtornado e obcecado. Ben Affleck, meu crush na adolescência, não desapontou e conquistou, assim, o título de meu Batman favorito.

Ele é constantemente atormentado pelo seu passado e, como todo herói, carrega o peso do mundo em suas costas. Sente-se impotente perante as injustiças presenciadas e por algumas vezes se torna aquilo que ele tanto quer abolir do mundo.

O sentimento de impotência combinado com a descrença é o suficiente para tornar o Cavaleiro das Trevas ainda mais sombrio. 



E esta se torna a fórmula perfeita para se transformar uma boa pessoa em um instrumento de vingança com uma bússola moral desregulada.

Um dos meu diálogos favoritos do filme resume a questão:



Como na vida real, cada um reage às situações de sua própria maneira a partir de suas perspectivas. Enquanto Batman se torna ainda mais implacável ao presenciar as consequências do confronto entre Superman e Zod, grande parte da população recebe o Homem de Aço de braços abertos.



Em meio a tantas desgraças, surge Superman, que se transforma num símbolo vivo de esperança por tempos melhores. A necessidade e desespero de vislumbrar e sonhar com um mundo melhor o torna uma espécie de Deus entre nós. Um Deus que se pode tocar e ver.

Superman é um dos meus personagens favoritos. Sempre admirei seu caráter e sua benevolência.

O meu Clark Kent favorito acredita na recuperação. Acredita na redenção. Coisa que muitas vezes me vejo desacreditar diante dos acontecimentos ao redor do mundo. 

Já discordei diversas vezes de suas decisões no decorrer dos anos. Perdi a conta de quantas vezes já pensei: "Mata logo! Ele não vai mudar e vai voltar pra tentar te matar de novo!". Porém, sempre o respeitei e admirei por suas convicções. E o mais importante: ele sempre me fez querer ser uma pessoa melhor.

O escoteiro da DC é um dos super heróis mais inspiradores que conheço. É puro de coração e abraçou a Terra como sua.



Como a Martha disse, ele não nos deve nada, mas escolhe defender o planeta como seu. Nunca se sentindo um de nós, mas nunca contra nós.

O Superman de Henry Cavill é convincente e carismático. Compartilhamos sua dor como sendo nossa. Seu fardo é o mesmo do Batman: a vontade de exterminar o sofrimento e suas injustiças. 

Ver um ser tão poderoso e magnânimo ter que ser impotente para proteger o bem maior enquanto é criticado por aqueles que está tentando proteger é incômodo e doloroso.



Gal Gadot foi uma bela surpresa. Confesso que não estava esperando muito da moça, que até então eu não conhecia. Sua Mulher Maravilha é forte, confiante e acabou me conquistando. Nunca fui muito fã da personagem nos quadrinhos e, por isso, creio que não tenha me empolgado tanto quanto os outros fãs. Porém, a Princesa Amazona me fez ansiar pelo seu filme solo, cujo qual eu não tinha a menor curiosidade antes.

Como o nome já diz, Batman vs Superman é uma introdução ao filme mais esperado de todos os tempos: A Liga da Justiça. Nele já temos um pequeno vislumbre dos outros heróis que irão se juntar ao trio principal.

Batman vs Superman em nenhum momento me desapontou. Pelo contrário. Eu estava conformada em odiá-lo, já que não gostei do rumo tomado em o Homem de Aço (o que seria uma discussão enorme para outro post).

Não vi briga de egos, muito menos futilidades. Batman e Superman estão apenas fazendo o que acham ser melhor para o resto da população. Batman está certo ao temer o que aconteceria na hipótese de alguém tão poderoso quanto Superman se virar contra a humanidade. Superman está certo ao querer dar um fim à busca cega pela justiça de Batman, que por vezes tem consequências irreversíveis.

O desfecho do filme foi o que eu já esperava após ver o trailer. Porém, as cenas finais de Batman vs Superman ainda me surpreenderam e se tornaram uma de minhas sequências favoritas do universo cinematográfico. Os diálogos e a mensagem por trás de tudo me fizeram soluçar ainda mais e arrancar olhares estranhos daqueles que foram ver o filme comigo.

Agora, espero ansiosa pela Liga da Justiça.

Até a próxima, pessoal! ;)
14 abril 2016

Na Minha Lente: I See The Light




Olha quem está de volta!!!

Depois de passar muita raiva com a luz do meu quarto, que decidiu ter vida própria e acender só quando quer, agora voltei de vez.

Quem já acompanha o Over The Heel por um tempo, sabe que gosto de rechear meus posts com fotografias sobre o que quer que eu esteja falando no momento. Pois é. Minha luz com vida própria estava acabando com a minha animação.

Acredito que a gente sempre deve procurar o lado Pollyanna da coisa, e por causa da minha luz temperamental (e com a ajuda de um mestre da iluminação. Valeu, Martim! o/), passei a brincar mais com as fontes de iluminação. Com isso, comecei a entender melhor o que funciona e o que não funciona quando minha luz resolve não aparecer.

Vamos para as fotos! (com e sem luz! hahaha)







Até a próxima! ;)

22 março 2016

Star Wars: Livros de colorir




Mês passado me deparei com essas belezinhas nas Americanas e, como toda criança de 5 anos de idade que gosta de colorir, tive que trazer pra casa.

Os livrinhos são claramente feitos para os pequenos, mas isso não impede as criançonas de quererem um também.



Os desenhos vêm acompanhados de algumas frases, que fazem um pequeno resumo da história, apresentando os lugares e personagens do universo Star Wars.





Além dos desenhos para colorir, os livrinhos ainda contam com diversos passatempos. Tem palavra cruzada e tem labirinto pra achar o ponto fraco da Estrela da Morte. hahaha







Apesar de amar colorir, os maiores atrativos dos livrinhos foram os adesivos e os bonequinhos de papel que vêm em cada livro, que, por sinal, são absolutamente lindos!



Se tem uma coisa de que nunca vou me cansar, é da overdose de produtos Star Wars no mercado. Estes livrinhos caem na categoria de inutilidades que você precisa ter. Os adesivos são lindos e os desenhos são bonitinhos. Se lembra dos bonequinhos de papel? Pois é. Eles podem se tornar lindos marcadores de livros.

Se você é louco por Star Wars e coleciona adesivos como euzinha aqui, ou apenas gosta de fazer passatempos de criança mesmo, os livrinhos não vão decepcionar.

Até a próxima! :)

07 fevereiro 2016

Livros: Star Wars - A Princesinha de Vader por Jeffrey Brown




Sinopse: EPISÓDIO TRÊS E TRÊS QUARTOS - Darth Vader, Lorde Sombrio dos Sith, continua a governar o Império Galáctico e está empenhado em destruir a heroica Aliança Rebelde. Nesse meio-tempo, ele precisa cuidar de sua jovem filha, Leia, enquanto ela passa de uma doce garotinha para uma adolescente rebelde.

ISBN: 9788576572596
Páginas: 64
Editora: Aleph



Já falei por aqui sobre Darth Vader and Son e Goodnight Darth Vader, a série de livros de Jeffrey Brown inspirada no universo Star Wars. Agora chegou a vez da princesinha do papai. Sim! A nossa musa rebelde.

Em A Princesinha de Vader, acompanhamos o relacionamento de Leia e Vader durante sua infância e adolescência.

Papai Vader deixando a Leia na escola em seu AT-AT


No decorrer do livro, vemos a pequena Leia se transformar em uma adolescente "rebelde" e tirar o sono do Lorde Sith mais temido da galáxia.




Acompanhamos o namoro de Leia e Han Solo, assim como as tentativas de Darth Vader de assustar o garoto que conquistou o coração de sua amada filha.

Corre, Han! CORRE!


Apesar de todos os desentendimentos causados pela rebeldia da filha, Vader se derrete com um simples abraço de sua princesinha.

Assim como nos livros anteriores, Jeffrey Brown faz um excelente trabalho reinventando as cenas clássicas da saga, tornando simplesmente impossível não se apaixonar pelo universo recriado. A Princesinha de Vader irá agradar tanto os fãs de Star Wars quanto aqueles que nunca tiveram contato com a saga.



Desde o primeiro livro, fiquei simplesmente apaixonada pelas ilustrações de Jeffrey Brown. São delicadas e completamente viciantes. Sério! Você pode ficar olhando pra elas eternamente e não se cansar nem um pouquinho.



Como já falei nos outros posts, os meus primeiros livros da coleção são da edição em inglês. A Editora Aleph não deixou nada a desejar em relação à edição original. As folhas são grossas e de excelente qualidade. A capa é dura e com detalhes em baixo-relevo, assim como o original. 

Se você é fã de Star Wars, A Princesinha de Vader não pode deixar de fazer parte da sua coleção!

Leia, versão Funko Pobre


Vocês podem encontrar o livrinho na Saraiva por R$19,40 , Submarino por R$ 13,59 e Americanas por R$ 15,99.

Até a próxima! ;)

10 janeiro 2016

Doramas: High School King of Savvy




Desde o fim do ano passado estou com um problema sério: meu vício nos dramas asiáticos voltou. Revi os favoritos e me apaixonei por outros. High School King of Savvy, também conhecido como King of High School Life Conduct, foi um desses que roubou meu coração.

High School King of Savvy conta a história de Lee Min Suk, um jogador de hockey do ensino médio. Min Suk é um garoto de 18 anos, gentil, ingênuo e que não gosta muito de estudar, dedicando todos os seus esforços ao seu esporte preferido. 

Sua vida muda completamente quando seu irmão, Lee Hyung Suk, lhe pede um favor: assumir o seu lugar como Diretor na empresa Comfo enquanto ele lida com alguns problemas. A partir deste momento, Min Suk se divide entre a vida escolar, os treinos e o trabalho na empresa. Tudo isso em segredo, com a ajuda de algumas pessoas.



Quando li a sinopse, não esperei muito. E, para quem não está acostumado com dramas asiáticos, a sinopse pode parecer uma das coisas mais loucas que já viram. Não é. Acreditem. Já vi coisa muito mais absurda. huiahuiahuiahu

High School King é daqueles doramas que te deixam com um sorriso no rosto a cada episódio. Isso, em grande parte por causa de seu protagonista Seo In Guk, que interpreta os irmãos Min Suk e Hyung Suk.


Acostumada com as interpretações mais caricatas ou, às vezes, sem muita expressão dos atores coreanos nos dramas, High School King me surpreendeu mais uma vez. Seus personagens são naturais e carismáticos, sendo o núcleo da família de Min Suk o meu preferido. A relação de Min Suk com seu pai adotivo e seu avô com Alzheimer é uma coisa linda de se ver. Aliás, seu avô rouba todas as cenas em que aparece. 


Como todo bom drama, High School King também tem seu romance. Jung Soo Young é uma mocinha nada convencional. Veste roupas estranhas, é estranha, fala coisas estranhas e rouba o coração do nosso protagonista. E não vá esperando nenhuma transformação no visual da personagem como nos filmes. Soo Young permanece o que é. E foi desse jeito que conquistou o coração de Min Suk.


O grande obstáculo de Min Suk e Soo Young é a idade. Ela tem 27 e ele, 18. Eles se conhecem realmente quando Min Suk assume o lugar de seu irmão na empresa, que é o lugar onde Soo Young trabalha. 




High School King é uma fofura do início ao fim. E falo sério sobre os sorrisos que este drama nos provoca. Mesmo nas partes mais tristinhas, ele consegue te deixar com um sorriso na cara. Nem que seja de melancolia.

Você gosta de dramas asiáticos? Qual é o seu favorito? Conta aí!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
SABRINA FRANZONI © OVER THE HEEL - 2013. Todos os direitos reservados.
Design por: SABRINA FRANZONI.
Template base por: Blogspot.
Ilustração Stormtrooper e Boba Fett por: Everaldo Coelho - Find Icons.
imagem-logo